novembro 30, 2012

Minha eterna inspiração



A poesia em minh’alma baila
...feito melodia, arrebata o dia triste
Renova cada célula...e na memória
enaltece , juras, promessas de outrora

e novamente o calafrio.

Emoção aflora a pele
percorre todos os sentidos...
numa saudade que dói tanto,
revira tudo, traz perfume no vento
e uma voz sussurra em meus ouvidos,
te amo eternamente!

Abro os olhos, preciso deste sonho
Ele volta tão pleno...
Faz parte dos meus dias, por mais
que afugente ... sufoque...
alimenta minha poesia... este veneno.

(Brida Di Beenergan – het. MR)



novembro 25, 2012

Ojos en la noche

                                                                     
Ojos detrás de las nubes
eclipsado por la danza
de los Ángeles!

de colores faldas
matices de la luz dorada

Gitana con las cartas marcadas
diosa de los caminos...
mujer
 abre tus alas!
esta noche de luna llena.

Aut. Marllene Rodrigues

novembro 23, 2012


                                                             

novembro 19, 2012

Muito alem daqui!


Tenho percorrido o mundo
Debaixo deste céu,
Vesti tantas imagens...

Fui rainha em terras do Egito
Vivi um grande amor
Na pele de uma cigana
Andarilha ...

Num palco sob a luz de refletores
Morri de amores por ti...
Morei em castelos distantes
Em torres altas te avistei...
Fui fada... feiticeira ... princesa
cigana procurando por ti!

Foi numa aldeia onde moram
Os meus sonhos que te vi pela
Primeira vez

E os encantos de tantas vidas
Estão presentes nos meus dias
Até que novamente me encontres

para a eternidade...

Marllene Rodrigues
Resp. direit. Aut.




Mulher Cigana


 Tu vais pelas noites
envolta em sonhos
amo teus cabelos soltos e longos
amo tua boca com baton vermelho

Mulher!

Você conhece de mim toda verdade
por que não tira esta ansiedade
Só sabe me maltratar com tua ausência

Mulher!

Você anda por caminhos distantes
mas és minha e sabes e 
me deixa embriagado de amor

Mulher!

Tua morada é em Céu aberto
 eu sempre estou tão perto
mesmo assim foges de mim
e me deixa morrendo de amor!

(aut. Cigano Ruan.& Madalena - het. MR)

novembro 07, 2012

Quando escrevo



Sinto –me enfim  em minh’alma
Suavidade nas mãos  a deslizar
 serenas sobre o caderno de lembranças
Asas brotam no dorso da pena
E pouco a pouco sobrevoa  a calma...

Quando escrevo, faço o mundo ficar bonito
O Céu ilumina cada grito, sufocado ,
Esquecido...
Que repousa, onde já tem tanto sonho
Adormecido.

Quando escrevo, mergulho nas rimas
desbravo o impossível e te alcanço...
nota solta,imprecisa  do momento
O mais relevante encantamento...

Quando escrevo!

(Aut. Manuella Loureiro – het MR)
Almeirim- Portugal