setembro 24, 2010

Para uma cigana!









Ergue as mãos para o Céu
envia luz aos Quatro cantos
que a dor seja curada
pede chuva branda para
que floresçam os campos
que a mesa seja farta

A terra molhada faz lembrar
A infância e os entes que
já se foram
E um breve soluço percorre
o vale

Na lua cheia faz oferendas
para o amor
violinos ao luar, fogueira acesa
vinho doce e um cigano
apaixonado que ela sabe
virá , as cartas dizem que
chega o fim da sua espera!

Clovis Duran gitano

setembro 10, 2010

Oracion de la noche!


O Sol se pôe , o silêncio toma conta
apenas nossas preces dentro da noite
luz das estrelas candeeiro do luar
vinho para aquecer do frio

Espiritos poderosos do povo Cigano!
nos abençoe para que nunca nos falte o pão
o sal e o ouro.

Para que possamos viver intensamente
sem maldades , com lealdade , união
em nossa aldeia,

Para todo sempre,

Amem!

Madalena Cigana

setembro 09, 2010

Yo soy gitana!


Violinos a tocar invadem o vale
e ela dança , rodopia a saia
rodada, sintonia de gestos que
provoca olhares e desejos
no homem amado!

mulher cigana!
A vida prá ti é valiosa
ama tudo de coração puro
pois acredita no poder da lua
e na força da
natureza

dança mulher, com alma!
enfeitiça com teu olhar, pois tua
lei é viver intensamente cada
instante repleto de
magia,

pois sabe que amanhã é outro dia
e conhece cada passo que dás
e cada palmo deste
chão.

Aut. Madalena Cigana

setembro 07, 2010

Andarilha dos tempos...



Lua cheia...
veste ...
reveste ...tua alma de luz

Nesta busca
que se perde nos caminhos
da tua liberdade...

Madalena Cigana

setembro 05, 2010


Uma estrada o luar
Som de cachoeira, passos
Que vagam: crentes
De encontrar
Novo espaço, sem
Fronteiras

Novamente o ruído
Das rodas enferrujadas
Como um lamento
Seguem...

Paramos onde o coração
Sente acolhida, brindamos
Ao luar, violino entoa
Uma canção, dançamos
Nos alegramos
Assim é meu povo.

Felicidade vem com
o vento em nosso rosto
Aí sentimos o quanto
somos livres!

Aut. Madalena Cigana

setembro 01, 2010


Venho de vidas tantas
De amor e alegria
Sei das profecias
Que me levaram a ti!

Temos a estrada e o vento
Tuas mãos: nos momentos
em que seguimos
Mais uma vez juntos

Este amor que o tempo
Não destrói, Amor Gitano!

Madalena Cigana